Conscientização

Geração do álcool

Autor: Thiago Rosa

Sexta-feira, final de semana chegando e o povo indo para as baladas da vida.

Se você der uma voltinha pelos cantos da cidade ou pegar uma carona com um grupo de amigos perceberá que não existe maior diversão que bater um papinho, dançar um som altamente vibrante e beber. E quando falamos em beber, não estamos nos referindo a refrescos de frutas, refrigerante ou água. Obviamente que grande parte dos jovens se deliciam com aquilo que vêm sendo uma das maiores preocupações médicas, de estudiosos e de algumas estatísticas que ficam alarmantes: o álcool.

De fácil acesso entre os jovens de diversas idades, a começar pelo próprio lar, e como meio de comunicação e interação entre grupos, a mágica do álcool, com lucros exorbitantes para empresas do ramo, faz parte da vida social e de comum aceitação entre todos. Por mais que existam pessoas contra, é muito difícil haver reprovação de toda uma sociedade acostumada com o vício do alcoolismo.

A preocupação aumenta quando sabemos que hoje em dia, por exemplo, as doenças do fígado já são a segunda causa de morte entre homens de 35 a 39 anos, e perde apenas para as patologias do coração. É o álcool que responde por grande parte destas enfermidades.

Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) revela que o alcoolismo já é a terceira maior doença no país, atrás apenas dos males do coração e tumores.

Cerveja

Seja um sol radiante no céu azul celestial ou uma tarde de frio num final de semana com churrasco. São muitos os motivos que são dados para se tomar uma “breja”. Em época de copa do mundo, como estamos vivendo neste momento, jogos da Seleção Brasileira são motivos de algazarra, farra com amigos, muita vibração e a latinha na mão que não pode faltar. Aliás, propaganda envolvendo futebol, craques da bola e cerveja, é o que não falta. Como as pessoas poderiam deixar de festejar o gol sem o copo na mão se as propagandas mostram que tem tudo haver? Claro, depois de tudo que é mostrado falam: “Beba com moderação”. É como aquelas propagandas de cigarro que vinham com uma tela azul de 3 segundos no final, depois de mostrar todos os falsos prazeres do tabagismo, dizendo: “O ministério da saúde adverte: fumar é prejudicial à saúde”.

Só para se ter uma ideia, uma pesquisa realizada por Nadir

Ferreira Boa Sorte, professora da Faculdade de Educação da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) mostra que os jovens não associam a cerveja com o álcool. O estudo mostra que a juventude possui uma imagem ingênua da cerveja, vendo-a como diferente das demais bebidas alcoólicas.

Em uma matéria do site Aprendiz de Gilberto Dimenstein a professora conta que o jovem chega a apontar aspectos positivos relacionados à cerveja. “Dizem que é fraca, que ela é mais apropriada ao jovem e que no calor, o que combina mesmo é cerveja”.

Na pesquisa realizada 34% dos jovens não veem a cerveja como as demais bebidas com teor alcoólico. Na verdade, poucos sabem que bastam poucas latinhas para que qualquer pessoa apresente dificuldades de coordenação motora e nos reflexos.

Um dado desolador mostra que, em 2003, uma pesquisa levantada no 14º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito em Vitória, apontava que 70% dos acidentes de trânsito com mortos e feridos no Brasil são provocados por motoristas alcoolizados.

Álcool e AIDS

O consumo de bebidas alcoólicas é o principal motivo que leva o homem a não usar camisinhas e, portanto, a praticar o ato sexual sem proteção. Esta foi a conclusão obtida através de uma pesquisa realizada durante quatro anos com 1056 pacientes (918 homens e 138 mulheres), com idade média de 26 anos que passaram pelo Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes (Proad) da Unifesp. O resultado mostra que 70% dos homens já chegaram a não usar camisinha por terem ingerido bebida alcoólica. A pesquisa também mostrou que 38% dos pacientes que foram infectados pelo HIV relataram nunca ter usado drogas injetáveis ou ter passado por transfusão de sangue. Outro fato importante a ser destacado é que entre os jovens de 14 e 19 anos de classe média alta, o padrão de consumo de álcool é considerado de risco pela OMS. E os adolescentes que bebem com certa regularidade (65% deles) tiveram uma média de quatro parceiros sexuais diferentes nos seis meses que antecederam a pesquisa. Alguns tiveram até oito parceiros no período.

Propaganda sem bebida

Diante de dados como estes, entre tantos outros, uma Organização Não Governamental (ONG) chamada de Movimento Propaganda Sem Bebida, formada pela “Aliança Cidadã pelo Controle do Álcool” que reúne igrejas, universidades, serviços de saúde, entidades diversas, ONGs que trabalham com dependência química entre outros, busca a aprovação de legislação que limite a publicidade do álcool nos meios de comunicação e em eventos esportivos, culturais e sociais.

Liderado pela Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Universidade Federal de São Paulo (Uniad) e pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), o Movimento busca atingir um milhão de assinaturas para solicitar a aprovação da lei que limite a propaganda de bebidas alcoólicas. É a mesma limitação já imposta para o cigarro. Se não é a solução para mudar toda uma cultura e sociedade, pelo menos é um grande passo, é uma tentativa de mudança. Afinal, a propaganda que é passada no principal meio de comunicação em massa, a televisão, é uma forma apelativa de persuasão e que consegue atingir o público jovem desde cedo. É de forma alegre e vibrante, com exploração do sexo inclusive, que as cores da cerveja, por exemplo, consegue ganhar o gosto do público.

Vale somente lembrar que não estamos aqui para querer apontar ou tingir algo de certo ou errado. Não devemos criar paranoia, mas só mostramos pontos que são importantes serem discutidos e que requerem alerta. Querendo ou não, a medicina também aponta que o álcool, muito bem moderado, traz benefícios à saúde. O que não podemos é banalizar. Alguns países como Holanda, por exemplo, que já virou sinônimo de “libertinagem”, tem até “spa” de Cerveja. Os clientes podem passar semana inteira se deliciando com o líquido dourado em roda de amigos e, se ainda tiver vontade, tomar banho de chope.

Para não sermos extremistas de um lado nem de outro, lendo um livrinho de autores diversos chamado “AIDS, Homossexualismo, Alcoolismo, Conflitos Familiares e Temas Diversos” consegui retirar um trecho de Nazareno Tourinho: “Mais lastimável do que incentivar o alcoolismo com a espuma de cerveja gelada é estimular a inveja com o ácido da crítica maledicente. Aquilo que em nós seria um vício talvez seja apenas um hábito em nossos conhecidos. É difícil distinguir. De qualquer maneira, seja hábito ou vício, o que não ignoramos é que o hábito de condenar os vícios alheios é um vício pouco habitual nas criaturas virtuosas”.

Fala MEU! Edição 40, ano 2006
Palavras Relacionadas