Entrevistas

Geraldo Spínola – O movimento jovem espírita

Autor: Marçal Gouveia

Apresentação: Geraldo Spínola, morador do bairro da Penha em São Paulo (desde 1942), 79 anos, casado com a Sra. Neide, pai de sete filhos (Mauro, Emiliana, Álvaro, Marcelo, Paula, Cláudia e Rogério). Secretário Geral do Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires e Vice-Presidente da Comissão Executiva da USE Distrital Penha.

 Para o nosso conhecimento, faça alguns comentários sobre a sua participação no movimento espírita.

Eu sou espírita desde a infância, meus pais já eram. Começamos no espiritismo na cidade de Tambaú – SP. Quando mudamos para a Capital, começamos a participar de um Centro com o objetivo de receber assistência, porque eu estava doente na época. Depois de algum tempo minha mãe desencarnou, eu já estava próximo de 25 anos; nós começamos a participar de um grupo que minha irmã estava iniciando, devido a sua mediunidade, então passamos para o estudo do  Evangelho e prática da mediunidade, baseado em Allan Kardec. Esse grupo quando assumi, passou a ter outra dimensão, foi crescendo e tendo a participação de outros companheiros. Pensamos em ter acomodações melhores, passamos então a ocupar a casa de meu pai que vivia sozinho, e aí o grupo começou a tomar jeito de Centro Espírita. Fizemos um registro oficial, nomeamos a primeira diretoria, eu como Presidente, depois ingressamos na USE – Distrital da Penha, com muito entusiasmo, fiz alguns cursos na Federação Espírita do Estado de São Paulo, exerci algumas tarefas no serviço de assistência social e infância espírita. Ingressei na USE, na comissão executiva da Distrital da Penha, como Secretário. Fui presidente em mais de uma oportunidade – representando a Penha, na USE Regional, que na época era Conselho Metropolitano Espírita, também assumi como Secretário da Diretoria Executiva, por pelo menos dois mandatos e depois como Secretário Geral. Enquanto isso o centro Herculano Pires continuou a crescer na divulgação da doutrina. Ingressamos na Confederação Espírita Pan-americana (CEPA), que envolve todas as Américas. Continuamos participando de diversas atividades do movimento espírita. Nossa preocupação  sempre foi a Doutrina Espírita.

O sr. participou das atividades de Mocidade Espírita?

Eu tinha 16 anos, nós não tínhamos nenhuma atividade de Mocidade na minha cidade, o que existia era o Centro Espírita, chamava-se Centro Espírita Paula Vitor. Quanto a Mocidade naquela época não tinha, quando eu vim para São Paulo é que começaram a ser criadas; o centro começou a se interessar, cresceram o interesse e o volume de Mocidades em São Paulo. Me parece que a USE ai cumpriu um papel relevante, porque a USE começou a organizar encontros de Mocidades, confraternizações de mocidades. Foi crescendo o interesse do jovens, meus filhos inclusive participaram e assumiram diversos cargos dentro do movimento de jovens. Enfim o trabalho de Mocidades quando começou, trouxe uma mudança muito grande em todo movimento espírita que nós procuramos sempre apoiar.

Como se organizavam?

 Aqui na Penha nós tivemos a MEVE – MOCIDADE ESPÍRITA DE VILA ESPERANÇA –era um grupo muito destacado. Ela tinha personalidade jurídica, não era ligada a nenhum centro, mas utilizava os centros da região, como utilizou o Centro Herculano Pires como sede. Mauro, Emiliana, Marcelo, Álvaro (filhos), participavam e nós dávamos todo apoio. Eu também freqüentava as reuniões da MEVE – era sábado a noite. A MEVE tinha no seu estatuto a nomeação de uma pessoa que tivesse condições de ser uma espécie de mentor do grupo, então eu fui mentor da Mocidade em várias oportunidades; gostava muito e incentivava bastante. A MEVE também passou a integrar o movimento espírita da capital, do estado e ai começaram a surgir outras Mocidades aqui na Penha. A MEVE foi uma das pioneiras do movimento de Mocidade Espírita.

Como o sr. percebe a participação do jovem no movimento espírita?

 Eu sempre tenho dito que os melhores espíritas do estado de São Paulo são oriundos de Mocidades, citaria por exemplo o presidente da FEB: “Nestor Mazotti”, com quem eu tive atividades espíritas na Diretoria Executiva da USE. Nestor Mazotti é oriundo de Mocidade Espírita, eu estou citando o nome dele, porque considero hoje que os espíritas que tiveram a  Mocidade por primeira atividade, e depois passaram a integrar os Centros Espíritas tem uma preparação melhor. Então vejo a mocidade uma etapa de “formação” para ser um espírita, principalmente pelo interesse das mocidades em manusear livros, em estudar, em organizar atividades espíritas, inclusive da Unificação. O aproveitamento dos moços é indispensável para o movimento espírita como foi em épocas de ouro do Espiritismo em São Paulo. Os moços vêem desempenhando um papel relevante na minha opinião.

O sr. conhece os trabalhos das Semanas dos Jovens Espíritas?

 Eu sou um entusiasta desse trabalho, já participei de confraternizações de Mocidades, como adulto, ajudando, participando, orientando em alguns casos, dando minha contribuição no trabalho de execução, colaborando para que o sucesso fosse o maior possível, assim como a SEJESPAR por exemplo, que é realizado aqui na Penha. No Tatuapé também há um encontro… SEJEST, até assisti algumas atividades. Todos esses eventos são uma grande oportunidade de manter os jovens unidos, manter a chama viva do entusiasmo pelo trabalho dos moços dentro do Centro Espírita. Então, esse trabalho deve ser apoiado.

Como o sr. enxerga o movimento espírita daqui para frente ?

             Sou obrigado a falar que ainda há muito “igrejeirismo” nos Centros Espíritas, com muitas exceções, mas ainda prevalece as pessoas buscando o centro espírita com o interesse na transmissão de energia ou passe, como queiram chamar. Muito poucos se interessam em estudar o espiritismo. A doutrina espírita só pode ser desenvolvida estudando, pesquisando e até formando grupos de pesquisas espíritas. Allan Kardec até previu e fez muitas observações nesse sentido, então vejo que o futuro nas mãos dos moços. Boa parte dos jovens, hoje fazem Faculdade, estão num nível de cultura muito maior e melhor do que no tempo em que nós iniciamos. O Centro Espírita não é mais aquela casa onde as pessoas só sabem ouvir. Hoje os moços sabem escrever, sabem falar, podendo oferecer uma produção melhor. Cabe a todos nós colocarmos o Espiritismo onde Allan Kardec desejou. Nós temos esperança que o espiritismo possa ser a grande alavanca dos seres humanos no nosso planeta, para que os homens esclarecidos pelos assuntos espirituais, pelo reconhecimento dos princípios básicos do espiritismo, possam desenvolver melhores condições de viver. Um mundo que terá paz, progresso, igualdade social, sem guerras, sem terrorismo – como o ataque que aconteceu na cidade de Londres, na Inglaterra. Isso deixou a todos nós tristes e preocupados, com aquela pergunta: – Quando é que vamos acabar com isso? Atitudes violentas de homens que querem impor suas idéias. Então por essa razão e por tudo isso eu vejo o espiritismo, muito mais que outras doutrinas, em condições de cumprir um papel para que o mundo possa ser melhor. Vejo que esse é um papel nosso, de dirigentes, integrantes de Grupos Espíritas e de Mocidades Espíritas.

Fala MEU! Edição 29, ano 2005