Materiais de Suporte

Por que trabalhamos para Jesus?

Autor: Bruno Rodrigues

Você já se perguntou o que te leva a seguir Jesus? Quais os motivos internos que te fazem buscar o trabalho voluntário? Muitas vezes estamos no lugar certo, fazendo da forma errada. É importante nos questionarmos, e buscar ver quais são nossas disposições reais. Por vezes, enganamos a nós mesmos e demoramos a perceber, em certos casos pode ser tarde demais.

O livro “Voltei”, psicografado por Chico Xavier, de autoria do Espírito Irmão Jacob, narra a chegada do último ao Plano Espiritual. Na Terra, o Irmão Jacob foi devotado trabalhador espírita, ajudou muitas pessoas, foi médium, doutrinador, palestrante, fundador de centros espíritas e só do outro lado da Vida, desencarnado, é que ele se deu conta que não trabalhava por amor ao próximo e sim por vaidade. Queria ter seu nome mencionado, ser reconhecido e foi depois dessa descoberta que ele passou a questionar-se, a conhecer suas disposições íntimas e a caminhar de forma segura no trabalho da reforma íntima.

E nós? Será que queremos ser passistas apenas para os outros verem ou queremos diminuir as dores alheias? Ser palestrante para ser aplaudido, elogiado, ou para semear a paz, o amor, consolar corações? Queremos ser dirigentes de uma Instituição para contribuirmos com a administração ou para termos um cargo, para exibirmos uma posição?

O Autor espiritual Emmanuel, no livro Caminho, Verdade e Vida, através da psicografia de Chico Xavier, escreve a seguinte mensagem no capítulo III:

“Quando praticares alguma ação que ultrapassou o quadro das obrigações diárias, examina os móveis que a determinaram. Se resultou do desejo injusto de supremacia, se obedeceu somente à disputa desnecessária, cuida de teu coração para que o caminho te seja menos ingrato. Mas se atendeste ao dever, ainda que hajas sido interpretado como rigorista e exigente, incompreensivo e infiel, recebe as observações indébitas e passa adiante.”

Agora, cabe a nossa reflexão. O que nos motiva? Caso cheguemos a conclusão que é a vaidade, a vontade de aparecer, de chamar a atenção, ainda temos tempo de mudar essa situação, antes que seja tarde. Todo trabalho para o próximo é valioso, não existe um trabalho mais importante que o outro, todavia, precisamos saber como estamos executando o trabalho. Que seja o Amor o condutor de nossas ações.

Fala MEU! Edição 66, ano 2008
Palavras Relacionadas