Opinião

Quando é preciso mais do que caridade

Autor: Osmar Maciel

A tarde era suave e calma. Um velho sábio, montado em seu cavalo, companheiro de muitos anos, saiu de casa e foi pela estrada deserta, rumo à vila, para adquirir suprimentos.

De repente, ouviu um gemido. Estacou, apeou pressuroso e foi descobrir o doente à beira do caminho.

Era, porém, um ladrão, que se levantou de um salto e se apoderou do cavalo.

O sábio, com dor profunda no coração, segurou as rédeas antes que o malfeitor escapasse e disse, lentamente:

– Sou velho, nada posso fazer para impedir-te de levar minha montaria. Pagaste o bem com o mal. Nada importa.

Dou-te o cavalo, com uma condição; não diga a ninguém o que fizeste.

E diante do olhar de incompreensão do assaltante, completou:

– Porque amanhã poderá alguém cair no meio da vala e ninguém o socorrer por medo de ser assaltado.

O ladrão, envergonhado da má ação, apeou do cavalo e restitui-o ao sábio.

– Sua sabedoria e bondade me tocaram o coração. Vá em paz com o que lhe pertence, e que Deus me ajude a ser doravante, um homem de bem, como o senhor.

Sim amigos ! São fatos notórios as incríveis ciladas armadas pelas pessoas de má-fé, em se tratando de roubar os incautos. E quando utilizam-se de expedientes semelhantes aos da estória, raramente são mal sucedidos, porém, geram estados de desconfianças tais, que ao ver alguém agonizante caído na calçada, muitos “passam ao largo” até que apareça – para sorte do infeliz – um samaritano de plantão.

Insensibilidade? Não.

É medo mesmo.

Moral da história

Aqueles que passem por tal experiência, impotentes para impedir que o malfeitor se apodere de seus pertences, a exemplo do sábio, não permita que lhe roubem também a esperança e a certeza da perfectibilidade do gênero humano; pois, como diz Lacônico, um velho amigo:

Ninguém é roubado. Apenas devolve.

Fala MEU! Edição 59, ano 2008
Palavras Relacionadas

Comentar

Clique aqui para comentar