Opinião

Um dia qualquer…

Autor: Thiago Rosa

O ser humano é realmente uma criação fantástica e que consegue se adaptar em qualquer ambiente onde se fizer presente. Para controlar sua existência e conseguir mensurar sua vida, teve a brilhante ideia de inventar o dia, as horas, os minutos, os segundo, o agora. “Agora” pode ser “depois”, como pode ser “antes”, como pode ser “agora”. O que define esta diferença doida de momentos é que, neste exato momento, todos que estão neste universo compartilham de experiências múltiplas, diferentes, daquilo que chamamos presente.

Você se lembra de como é ou foi o seu dia? Existem dias especiais?

O professor da FAPESP Fernando J. da Paixão, conseguiu abreviar que o calendário é “uma invenção fantástica e que hoje nós sabemos que se passaram bilhões de anos até que se chegasse à invenção do ano, do mês, da semana, do dia, da hora, do minuto e do o segundo tais como são usados hoje”.

Quando você passa o olhar pelo calendário, eu tenho a certeza que uma das primeiras coisas que você enxerga é a data do seu aniversário. Talvez pelo simples fato de que, em 365 dias do ano, um deles você é realmente o dono da festa, o rei, o autor, o “cara”. Sei que você também vai conseguir decorar a data de aniversário do seu melhor amigo; pode ser que você marque no calendário o dia que ganhou o primeiro beijo; que ficou feliz pelo presente dado pela mamãe; por ter conseguido o primeiro emprego; você também pode lembrar de quando se formou e até de quando ganhou a pior nota da escola, afinal, não é só de coisas boas que os seus dias são marcantes. Você pode com isso pensar em dias tristes como o dia que perdeu um ente querido que tanto gostava. É claro que você irá olhar para os feriados, já que eles são sempre convidativos a se tornarem especiais. Tem também as datas importantes que estão marcadas na sua agenda, como os compromissos, seja pelo casamento, o nascimento de um filho, o aniver do papai ou mesmo a balada do final de semana com os amigos.

Em um ano inteiro de datas, você pode ter marcações diferenciadas, algumas que depois de alguns meses serão esquecidas e outras que, depois de anos, ainda serão intocáveis. E talvez este seu mesmo dia especial, pode ser um dia torturante pra mim. Enquanto uns riem e festejam, outros simplesmente choram. Não é à toa que nomeamos de maneira geral em nosso calendário, os dias que homenageamos alguém. Porém, dias especiais podem significar muitas coisas. Mas, se existem dias especiais, quer dizer que existem dias comuns?

O filósofo e escritor norueguês Jostein Gaarder, autor do aclamado romance sobre a história da filosofia “O mundo de Sofia”, de 1995, cita em seu livro infantil “Ei! Tem alguém aí?” a seguinte fala de um de seus personagens: “Às vezes as pessoas dizem que tiveram ‘um dia comum’. Isso me deixa meio aborrecido, porque não existem dois dias iguais. E nós também não fazemos a menor ideia de quantos dias de vida ainda temos pela frente.”

Você com isso pode estar certo que dois dias iguais realmente não há. Mas no seu calendário ainda tem espaço para definir, entre suas ideologias, que tem alguns dias que são mais especiais que outros, ou que pelo menos, tem dias que são muitos iguais uns aos outros e que não fazem a mínima diferença.

Deve ser por isso que ainda somos capazes de definir um dia especial para as mães. Poxa, será que sempre o segundo domingo de maio é o único dia das mães? Ah não, claro que não! Por que você então adora presenteá-la especialmente neste dia? Ou então, por que adoramos sempre fazer deste dia algo tão diferente? Mãe é especial, tem uma essência tão sublime que até Chico Xavier já dizia que “a oração de uma mãe arrebenta as portas do céu”.

Tá, mãe é mãe e está no nosso convívio diário. Mãe não é só a de sangue, e tem aquela que cria, aquela que transforma e educa. Mas tem também o dia dos pais. E todos sabem que a data se transforma tão especial como é o dia das mães. Você tem a sensação de que só naquele dia o pai é realmente pai. Nos demais ele é só um pai qualquer.

Estas datas estão inseridas no nosso cotidiano. No Brasil, por exemplo, o primeiro dia dos pais foi comemorado em 1953, no dia 14 de agosto, dia de São Joaquim. Até o dia dos pais já era dia de algo. Posteriormente, para alavancar as vendas, assim como o dia das mães, o dia dos pais passou a ser no segundo domingo de agosto. Domingo por ser um dia familiar, onde os costumes cristãos de cultivo à família, no lar, são mais presentes neste dia da semana.

Em março agora, acabamos de comemorar o dia internacional da mulher. Celebrado no dia 08 de março, a data tem origem nas manifestações femininas por melhores condições de trabalho e direito ao voto no início do século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial. Datas assim são comemoradas em cima de uma lembrança triste, já que este dia foi nomeado como da mulher em 1975 pelas Nações Unidas, em lembrança da morte de cerca de 130 tecelãs que morreram carbonizadas após incêndio em fábrica ocupadas pelas operárias que ficaram trancadas no local.

O dia da consciência negra é outro exemplo parecido. Foi no dia 20 de novembro de 1695 que morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. Zumbi é um personagem histórico que representou a luta do negro contra a escravidão, no período do Brasil colonial. Zumbi morreu em combate e a data de sua morte ficou sendo comemorativa como o dia da Consciência Negra, que por sinal é feriado em várias cidades do país. Assim também que se referenciou o dia de Tiradentes, feriado nacional. Assim você também pode dizer do Dia do Orgulho Gay, referente aos protestos em Nova York, nos anos 70, de uma minoria gay frequentadora de um bar que não aguentava mais a violência dos policiais contra eles.

É desta forma que você vai pautando os seus dias atuais, sabendo o que é importante pra você ou não. Você consegue transformar a sua família em datas especiais, assim como o seu convívio com os amigos e o seu foro íntimo de preocupações, fantasias e felicidades.

As datas com o tempo somem e você ainda ganha mais uma de presente quando você morre. Esta talvez você não saiba como e nem onde, e muito menos no dia que morrer você pode vir a pensar sobre isso, mas enquanto isso não acontece, talvez devemos pensar no que de tão importante são estes dias.

Interessante é que datas assim, especiais, trazem diferenças sociais. Qual a finalidade de ter o dia da mulher, já que todos os dias são delas? Todos os dias são vividos de maneira a buscarmos os melhores aproveitamentos de nossas experiências, sejam elas felizes ou não.

Pra que serve o dia da luta contra a AIDS? Será que apenas neste dia devemos lembrar que milhares de pessoa morreram devido a contrair o vírus? Apenas neste dia devemos lembrar da importância da camisinha, ou mesmo,do sexo promiscuo que acarreta tantas hipnoses humanas?

Talvez seja no dia da avó que devemos lembrar que os idosos um dia foram crianças, e que, como crianças, também tiveram o seu dia de inocência e paz de espírito? Assim, podemos ficar então tranquilos que no dia de Natal, a paz possa imperar radiante na maioria dos lares cristãos, já que comemoramos de maneira alegórica o nascimento de Jesus!

As datas nos cobrem de máscaras. Os elogios não precisam vir somente no dia do aniversário, mas poderia ser a cada momento de felicidade em estarmos ao lado das pessoas. As datas fictícias no nosso mundo humano, talvez seja apenas mais uma forma de criar mais ainda diferenças. Afinal, que dia é hoje?

Um dia especial? O seu dia? Ou um dia qualquer?

Um dia comum?

Hoje, talvez seja o dia mais especial da sua vida, afinal, você nunca sabe quando será o seu último dia nesta existência. Aproveita pra cultivar este dia, pois cultivar o dia dos outros pode fazê-lo alguém sem perspectiva de um dia melhor e sendo apenas um convidado qualquer pra comer um pedaço do bolo.

Vibrar pelas conquistas do passado é muito bom, mas esquecemos de quem realmente somos, pode ser muito ruim.

Ah, só pra terminar, Gaarder também em seu livro termina a frase assim: “Talvez pior ainda do que falar numa galinha ‘comum’ ou num dia ‘comum’ seja falar num menino ‘comum’ ou numa menina ‘bem comum’. É o tipo de coisa que a gente diz quando não quer se dar ao trabalho de conhecer melhor as pessoas”.

Você já conheceu melhor as pessoas ao seu redor? Talvez pode ser que você descubra o quanto elas são especiais. Vá em frente e transforme o seu dia em algo extraordinário.

Fala MEU! Edição 73, ano 2009
Palavras Relacionadas

Comentar

Clique aqui para comentar