Espiritismo pelo mundo

Movimento espírita na Suiça

Autora: Arlete Laenzlinger Wintenterthur – Suíça (coordenadora do DIJ-CEEAK)

Suíça é um pequeno país localizado na Europa Central. De clima temperado e de inverno rigoroso, possui uma paisagem belíssima emoldurada por montanhas e lagos. Seu tamanho corresponde aproximadamente ao do Estado do Rio de Janeiro. Aqui são quatro os idiomas oficiais: o alemão, o francês, o italiano e o retromânico. Coloquialmente fala-se o dialeto suíço-alemão que não se escreve e que varia de acordo com  cada cantão. São duas as religiões oficiais da Nação: o catolicismo e a igreja reformada (protestantismo), mas existe liberdade de culto religioso. Atualmente vivem nesse país em torno de 45.000 brasileiros.

Qual a história do espiritismo na Suíça?

O Espiritismo na Suíça não é algo novo. Recentemente, realizando uma pesquisa na Biblioteca de Winterthur, encontramos referências de um conceituado jurista e estudioso chamado Georg Sulzer (1844-1929), que, após receber de presente uma edição do livro: Animismo e Espiritismo, de Aksakow, se identificou com as ideias espíritas escrevendo, a partir de então, diversas obras a esse respeito. Apesar da contribuição dada por esse conceituado jurista, o espiritismo ainda continuou desconhecido para a maioria dos suíços.  E, foi no ano de 1985, que o primeiro centro espírita do país foi fundado. Isso aconteceu na cidade de Genebra. Esse fator, juntamente com os esforços de Divaldo Franco, médium e orador espírita, que há mais de vinte anos realiza seminário em Zurique, a pedido de uma Associação Ecumênica, contribuiram para a divulgação do Espiritismo e consequentemente o nascimento de outros centros espíritas em diversos cantões do país.

Como é o movimento da doutrina espírita na Suíça?

Foi em 1988, há 21 anos atrás, que  a União dos Centros de Estudos Espíritas na Suíça (UCESS) foi criada, passando a representar o Movimento Espírita Suíço junto ao Conselho Espírita Internacional (CEI). A UCESS realiza a cada dois anos um Encontro Espírita juntamente com a Feira do Livro Espírita. O CEI tem se empenhando em oferecer condições para a difusão do Espiritismo e apoio ao Movimento Espírita na Europa. Em 2007 e 2008 organizou dois eventos na Suíça: A Comemoração dos 150 anos de “O Livro dos Espíritos” – na cidade de Yverdon, no Castelo de Pestalozzi, onde Rivail ( Allan Kardec)  estudou – e, O Seminário de Preparação do Trabalhador da Casa Espírita, ocorrido em Winterthur, no Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec (CEEAK). O CEI também promoveu a edição e a tradução das obras “ O Livro dos Espíritos (Das Buch der Geister)” e “Nosso Lar  (Eine spirituelle Heimat- Nosso Lar)” para o alemão. E há alguns anos atrás a Associação Médico Espírita na Suíça (AME) foi criada  e tem promovido Eventos Espíritas com enfoques científicos.

Tem editora ou livraria espírita?

Marco importante para a difusão espírita em terras européias, foram criadas duas entidades relacionadas com o Livro Espírita: a EDICEI Suisse e a Editora Lichtverlag. A primeira tem a função de distribuir livros por atacado aos Centros Espíritas na Europa, e a segunda de editar e vender livros e multimídia para o público em geral através da sua livraria online: www.lichtverlag.ch . Ambas tem sua sede em Winterthur e estão sob a direção de Gorete Newton.

O que pode ser dito sobre os centros espíritas na Suíça?

São nove os centros espíritas na Suíça, sendo que oito deles estão coligados à UCESS. São compostos, a sua maioria, por brasileiros ou por suíços que viveram e estudaram no Brasil. Localizam-se em diversos cantões da Suíça francesa e da Suíça alemã.

Todos eles tem evangelização infanto-juvenil?

Dos nove centros espíritas existentes, quatro oferecem a evangelização infantil e dois centros (Estesia, em Berna e CEEAK, em Winterthur) tem a evangelização juvenil estabelecida já a há algum tempo. Este ano um outro centro iniciou um grupo de juventude espírita: o AFFA, em Zurique.  No momento, reúnem-se três participantes. A implantação da evangelização do jovem e da criança tem sido um desafio nos centros. Muitos começam esse trabalho e diante das dificuldades encontradas, acabam por desistir do intento.

Quais são essas dificuldades e quais as soluções para minimizá-las?

Muitos centros são pequenos. O espaço físico faz com que as aulas de evangelização precisem ser feitas em horários diferentes. E, ocorre a deserção de participantes, o que desanima os evangelizadores. O público que acorre à casa espírita, provém também de outras cidades e nem sempre tem disponibilidade de ir e vir mais de uma vez por semana ao centro. As crianças e jovens são bilíngues (português/alemão) e algumas nem falam português. O português das que falam é limitado, com dificuldades de compreensão da linguagem escrita. Não existe material didático espírita traduzido para o alemão, e pouco há em francês. A quantidade de literatura espírita  nos idiomas do país é ainda irrisória e isso dificulta a formação de trabalhadores espíritas suíços, que não sabem falar português. Há uma falta de conscientização geral da importância da educação moral-espírita para a infância e juventude e de um trabalho de base para a formação de educadores espíritas. Existe uma frequência flutuante tanto de participantes da evangelização quanto do centro. (Muitas vezes prepara-se um trabalhador que passa a evangelizar, mas em breve muda-se novamente para o Brasil).

Como é a evangelização infanto-juvenil no grupo Estesia, em Berna?

Eles se reúnem todos os sábados à tarde, sob a coordenação de Lilia Levy. As aulas são dadas em alemão e em português. Lilia é suíço-brasileira, tendo vivido em sua infância no Brasil. Como teve bebê há pouco tempo, Rejane Bicalho e sua filha estão assumindo essa tarefa. O grupo de jovens tem preferência por atividades teatrais, e já apresentaram duas peças em Eventos Espíritas: “O Diário de um Drogado” e “O Aborto”. A juventude possui em média 12 participantes. A Evangelização infantil neste centro ocorre a cada 15 dias, tendo como evangelizadora Rejane Bicalho.  Existem duas turmas com uma média de cinco crianças cada.

E como é no CEEAK?

Ao chegar na Suíça, na cidade de Winterthur em1998, quando me casei,  tive a oportunidade, neste mesmo ano, de ir na inauguração do CEEAK. Desde então passei a frequentá-lo tornando-me trabalhadora desse centro. A implantação da evangelização foi um sonho acalentado, que só se tornou possível dois anos após. A etapa inicial foi marcada por uma série de tentativas. Foi essencialmente de aprendizagem e experiências. Somente a partir de 2006 é que o trabalho cresceu e criou bases sólidas. Foi quando mães que já frequentavam há algum tempo, se uniram a nós  para formar um grupo engajado e de boa vontade. Tínhamos então, duas turmas que desenvolviam sua atividades na cozinha e sala de passes. Quando nos mudamos para a nossa atual sede que é maior que a anterior, adquirimos duas salas destinadas somente à evangelização. A cozinha continua sendo utilizada para os encontros do II Ciclo de Infância.

Divisão de ciclos no CEEAK:

Elaboramos a seguinte divisão:

Infância: ciclo 1 ( de 4 a 8 anos);

Ciclo 2 (de 9 a 12 anos);

Ciclo 3- turma de adolescentes e jovens (13 a 18 anos)

Dia e horário dos encontros: Às terças-feiras à noite, no mesmo horário das palestras públicas;

Quantidade de evangelizandos: Média de 12 participantes em cada turma.

Estruturação:

Realizamos rodízio de evangelizadoras. A agenda é programada com antecipação, assim como  o programa de aulas. Realizamos também a cada ano um Curso de Formação e Aperfeiçoamento de Evangelizadores. Algumas vezes com palestrante vindo de fora, outras com nossas próprias trabalhadoras que possuem experiência na área pedagógica. Também publicamos as informações necessárias na internet, em site especifico, assim como o material de pesquisa: apostilas, plano de aula, fontes de consulta, etc, para que o evangelizador/a responsável possa adaptar a sua aula e aplicá-la. As aulas são dadas em português para as crianças e em  português e alemão para os jovens. Quando o evangelizador é suíço as aulas são dadas em alemão.

Como são as aulas da juventude?

São duas as evangelizadoras responsáveis pela juventude: Lói e Tânia. Mas  periodicamente convidamos trabalhadores suíço-brasileiros que desenvolvem temas diversos. Ex: drogas, suicídio, etc. No período de férias, quando os evangelizadores em sua maioria viajam, oferecemos atividades recreativas ou sessão de cinema com filmes de temática espírita. Devido a dificuldade de entendimento do português escrito, por parte dos jovens e da falta de literatura espírita em alemão, as aulas são mais práticas que teóricas, utilizando-se dinâmicas de grupo, diálogo, com menos exercícios escritos e lidos. Isso faz com que  tema da aula precise de mais tempo para que o conteúdo seja absorvido com maior clareza. E uma vez por ano realizamos uma oficina de confecção de cartões de Natal, que são vendidos e o lucro revertido para a aquisição de material didático da própria evangelização. Também são realizadas Apresentações artísticas em datas comemorativas, em eventos espíritas ou em abrigos de idosos.

E as aulas da infância?

-A cada semestre escolhemos um Tema Central.  O tema do primeiro semestre  foi: “Quem sou Eu?”. Os temas secundários e desenvolvidos neste semestre referem-se então à Educação Emocional e as fontes de consulta são várias: desde as apostilas da FEB, às dinâmicas de sensibilização de Rita Folker. Além das aulas, aplica-se dinâmicas, atividades de dobradura e recorte e colagem e realizamos oficinas de danças, música e teatro. Temos a alegria de podermos contar com alguns profissionais nesta área, como é o caso de Simone Caratsch ( artes cênicas e dança) e seu esposo Cláudio Caratsch ( músico). Também realizamos oficinas de trabalho: Ex: Oficina de criatividade com elementos da Natureza (O tema foi: Deus e a Criação); Oficina de Alimentação e Saúde (tema: preservação do corpo);  Oficina de Cartões de Natal (final do Ano), etc.

Quais são suas metas?

Estamos numa fase de reestruturação do setor de juventude, procurando, no momento, distribuir tarefas para trabalhadores de língua alemã. Outra preocupação é voltada para um grupo que se habilite em selecionar e resumir planos de aulas em português para que sejam traduzidos para o alemão. Estamos estudando estratégias de entrosarmos a família nos trabalhos desenvolvidos e planejamos abrir novas turmas para dividir a turma de juventude em futuro próximo, desta vez aos sábados.

O que podemos concluir de todo este trabalho e do futuro do movimento espírita na Suíça?

Há muito a ser feito para que a evangelização de crianças e jovens na Suíça seja uma realidade em todos os centros. Será preciso unir esforços para se criar frentes de trabalho no sentido de adequar o material à realidade do país , através da tradução de obras, da promoção de eventos: confraternização de juventudes espíritas, encontros de evangelizadores, cursos de capacitação de trabalhadores da área de infância e juventude, do apoio ao Centro Espírita nesta tarefa. É um trabalho de base. De estruturação. Compete ao trabalhador espírita, incumbido de evangelizar, cumprir a tarefa com zelo e cuidado, pois que ela é de suma importância para a formação de homens e mulheres de bem, e que futuramente estarão dando continuidade a essa tarefa de iluminar consciências em prol de um mundo melhor!

Para saber mais:

UCESS –  www.spiritismus.ch

AME – SUÍÇA –  www.ame-ch.org

CEEAK – www.ceeak.ch Editora

Lichtverlag – www.lichtverlag.ch

Fala MEU! Edição 76, ano 2009